Bolo Floresta Negra

29 de janeiro de 2018 | Bolos e Quitandas

Eu era uma criança bem conversadeira e curiosa, ainda mais quando o assunto era cozinha. Ficava andando atrás da minha mãe, perguntando o que ela estava fazendo. E sempre queria ajudar, mexer em tudo, aprender as fazer as receitas. Sorte minha que ela teve toda a paciência necessária e jamais me desestimulou. Muito pelo contrário: quando ela estava na cozinha, lá estava eu, coladinha ao lado dela, me sentindo maravilhosa em ser a grande parceira de culinária da mulher que mais admiro no mundo. E essa é uma das melhores memórias que tenho da infância. Naturalmente, cresci e continuei cozinhando com o apoio e estímulo da minha mãe. Quando já podia mexer no forno e fogão sem perigo, aprendi a ler e interpretar as receitas e comecei a cozinhar sozinha. As minhas primeiras receitas foram bolos, tortas e sobremesas. E um dos bolos que eu amava fazer (por causa dos sabores) era o Floresta Negra.

Sempre gostei de chocolate. E o uso das cerejas e da calda para molhar o bolo davam um sabor tão diferente e interessante, que fiquei encantada. Repeti essa receita algumas vezes durante a adolescência, mas por algum motivo, ela ficou guardada por lá. Resolvi então revisitar esse clássico e preparei o Floresta Negra essa semana.

Para me ajudar com a receita, recorri aos conhecimentos da minha amiga Ana Carol. Ela recomendou as receitas dos chefs Alvaro Rodrigues e Isamara Amâncio. No entanto, na hora de executá-la, eu acabei fazendo um bolo de chocolate que sempre faço aqui em casa, com manteiga e iogurte. Apesar da massa do bolo ser amanteigada e bem achocolatada, depois de montar e ir na geladeira, o Floresta Negra ficou uma delícia! Acredito que uma massa de pão de ló ou com óleo, ao invés de manteiga, seria mais adequada pois o bolo ficaria mais leve e fofinho. Só tenho a dizer que o Bolo Floresta Negra com certeza voltou para ficar! Veja a receita:

 

10 Comentários

  • Natalia

    07 d fevereiro d 2018, às 11:55. Responder

    Essas memórias são lindas. Também tenho boas recordações de infância com a culinária. O bolo parece maravilhoso!

    • leiliane

      12 d fevereiro d 2018, às 12:21. Responder

      obrigada pela visita e pelo comentário, Natalia! Abração!

  • Lídia

    02 d fevereiro d 2018, às 14:25. Responder

    Estou encantada em como seu bolo ficou maravilhoso! Que vontade de provar suas comidinhas deliciosas de novo hahaha.
    Beijos

    • leiliane

      12 d fevereiro d 2018, às 12:26. Responder

      Obrigada Lídia! Quando viajar para cá, pode vir aqui provar das minhas comidinhas. Abração e muitas saudades.

  • Letícia

    30 d janeiro d 2018, às 08:50. Responder

    O bolo está lindo, mas eu me comovi mesmo foi com a homenagem que você fez à sua mãe (e com o comentário dela logo abaixo do post). Espero que eu consiga fazer o mesmo pelos meus filhos. Beijos, querida.

    • leiliane

      12 d fevereiro d 2018, às 12:30. Responder

      Não tenho dúvidas de que seus filhos terão memórias como essa, Letícia! Obrigada pelo carinho e por estar sempre passeando por aqui. Um grande abraço

  • Glaci

    29 d janeiro d 2018, às 17:52. Responder

    Oi filha quanta recordação boa pude deixar pra você. Eu bem sabia que posteriormente nós teríamos uma exemplar confeiteira na família. Não só confeiteira mas uma exemplar mulher cheia de qualidades em todas as áreas. Grande beijo e saiba que minha admiração por você não tem limites. Mamãe te ama muito. Feliz semana!

    • leiliane

      12 d fevereiro d 2018, às 12:31. Responder

      Mãe, te amo!

  • Ana Carol Crocks

    29 d janeiro d 2018, às 11:19. Responder

    Leili do céu, que lindo que ficou seu bolinho!!!
    Parabéns pelo bolo e pelo seu post, como sempre, muito bem escrito.
    Até eu apareci por aqui, que legal!!! Amei!!! Muito obrigada pelo carinho.
    Beijos

    • leiliane

      12 d fevereiro d 2018, às 12:35. Responder

      Crocks, muito bom sempre poder contar com sua ajuda nessas empreitadas bolísticas! Ter uma amiga consultora para esses assuntos é muita riqueza. Obrigada pela contribuição. Abração e volte sempre por aqui.

Comente